(En)cantos e Recantos

A Claudia que é uma moça toda inteligente diz assim:

 

Ah e tal, diz que é dia da mulher

 

E as maiores culpadas de continuar a existir este dia e todos os factos a ele associados são, maioritariamente, as mulheres. Aquelas que criam os filhinhos como se fossem pequenos lords de porcelana, que não têm que mexer uma palha. Que lhes incutem que eles merecem sempre uma melhor esposa que lhes engome as camisas com máxima qualidade, que lhes sirva o jantar sempre a horas e que não façam barulho quando eles estão a ver o futebol. Que não os ensinam a fazer a sua própria cama e que ninguém é empregado de ninguém, a menos que seja justamente pago para isso. Que não os ensinam a esfregar um tacho e acham que por fazerem uma panela de arroz é motivo para receberem muitos elogios. São as mulheres-mães que maioritariamente se escusam a repreendê-los e os mantêm prisioneiros numa infância permanente, que não lhes criam o hábito de ouvir um "não" e, com isso, criam seres incapazes de enfrentar as negações e as adversidades. Criam seres que à primeira dificuldade se sentem frustrados e que nos casos menos estruturados facilmente descambam em violência doméstica. A igualdade nasce desde o berço e depende não de quem agora surge mas de quem já por aqui vive. E enquanto continuar a assistir a miúdas e graúdas felizes com o seu papel de empregada doméstica a título gratuito, jamais poderei achar este dia como algo de positivo. Porque enquanto formos nós mesmas a criar fossos sexistas, jamais haverá alteração de mentalidades.

 

Eu não diria melhor :)

publicado por belinha_caranguejo às 17:22 | link do post | comentar